IECLB em Osório

Antecedentes Karl Leopold VogesDepois do falecimento em 1893 do Pastor Karl Leopold Voges, o terceiro pastor evangélico do Brasil, 13 pastores passaram pela Comunidade Evangélica de Três Forquilhas, uma paróquia que abrangia os atuais litoral norte e parte da região da serra gaúcha, e da qual fazia parte Osório. A sede sempre esteve localizada no hoje município de Itati e os pastores atendiam toda essa vasta área.

Em 1969 assumiu a Comunidade de Três Forquilhas o Pastor Elio Eugenio Müller. Foi através do Pastor Elio que as famílias atendidas em Osório iniciaram a organização da futura comunidade evangélica local. Essas famílias eram descendentes dos primeiros colonizadores de Três Forquilhas lá chegados em 1826. O primeiro casal evangélico da comunidade Orlando e Eronita Becker que chegaram a Osório em 1962 vindos de Itati.

Durante década de 1960 mais casais vindos de Maquiné e Tramandaí (famílias Bencke, Bobsin, Kellermann e Trespach) vieram juntar-se a eles formando assim o primeiro núcleo evangélico luterano na cidade. Essas famílias foram primeiramente atendidas pelo Pastor Fischer que vinha 1 vez por mês a Osório para a celebração do culto e o atendimento de membros necessitados. Com a chegada do Pastor Elio Müller em 1969 muitas das comunidades distantes da sede em Itati começaram a se organizar para formarem diretorias próprias. Era o primeiro passo para a independência da comunidade de Osório em relação a sede em Itati.

helio_muller_tramandai

Fundação da Comunidade As reuniões que visavam formar a nova comunidade iniciaram-se em 1972. Em 5 de julho desse ano no templo Evangélico da Igreja Metodista, onde se realizavam os cultos de forma provisória, foi organizada a primeira diretoria encarregada de preparar a formação da comunidade que era composta então por 18 membros. A diretoria, ou comissão, pioneira era composta pelo Presidente Enoir Bobsin, o Vice-Presidente Oli Becker, a 1.ª Secretária Elza Tietboehl do Nascimento, o 2.º Secretário José Arlindo Kellermann, o 1.º Tesoureiro Armindo Bencke, o 2.º Tesoureiro Arlindo Trespach e o Conselho formado por Orlando Becker, Egidio Eberle, Nelson Matzenbacher e José Antônio Trespach. Assim consta a Ata n.º 1 da, hoje, Comunidade Evangélica Martim Luther, em Osório:

Aos cinco dias do mês de julho de um mil novecentos e setenta e dois [5/7/1972], às 20 horas, na Igreja Metodista de Osório, após o culto, realizou-se uma reunião entre membros da Igreja Evangélica de Confissão Luterana e o Pastor Elio Eugênio Müller, a fim de se organizar a diretoria da Comunidade de Osório, a qual , após várias sugestões, ficou assim constituída: Presidente: Enoir Bobsin; Vice-Presidente: Oli Becker; 1.ª Secretária: Elza Tietbohl do Nascimento; 2.º Secretário: José Arlindo Kellermann; 1.ª Tesoureiro: Armindo Bencke; 2.º Tesoureiro: Arlindo Trespach; Conselho: Orlando Becker, Egidio Eberle, Nelson Matzenbacher e José Antônio Trespach. Em seguida, foi o Sr. Armindo Bencke encarregado de fazer um levantamento na cidade, para se saber o numero dos membros aqui residentes. E, nada mais havendo a tratar, o Pastor Elio Eugênio Müller deu por encerrada a reunião. Para constar, lavrei a presente ata que assino com o Pastor e demais pessoas presentes. Osório, 5 de julho de 1972. [seguem-se 8 assinaturas]”.

Desde o inicio ficou estabelecido que a comunidade seria administrada segundo os estatutos da Secretária Geral da IECLB e que estaria sob orientação e responsabilidade da sede em Itati. Os dois primeiros terrenos, onde se iniciou a construção do templo, eram de propriedade de Oli Becker que os cedeu a comunidade tendo essa pago posteriormente a aquisição deles com o dinheiro levantado através de rifas e doações.

Antes da inauguração de templo já em 12 de setembro de 1976 havia sido lavrada a ata de fundação da Comunidade Evangélica de Osório onde constam os 33 membros-fundadores. Nessa ata, a de n.º5 lavrada às 20:30 h, constam como os membros (em ordem de assinaturas como no original): Enoir Bobsin, Oli Becker, Arlindo Valter Trespach, José Arlindo Kellermann, Orlando Becker, José Antônio Trespach, Nilo Schneider, Ildo Trespach, Jacob Pedro Reinheimer, Eronita Bobsin Becker, Osmar Bobsin, Elisabethe [?], Sidônia Trespach, Ivone Trespach, Saturnina Eberarti, Idacilia Mauer Becker, Adyles da Silva Otto, Eduardo Gustavo Otto [Pastor], Arlindo Grassmann, Cenda Grassmann, Oscar Bühler Sobrinho, Cláudio Luiz Hoff, Zaida Luiza Hoff, Telmo Tesch, Anibaldo Hoff, Alzira Conceição de Oliveira Becker, A. E. Grassmann, Gladis Conceição Consul Grassmann, Werner Bühler, Orlanda Anna Miege Bühler, Carlos Neubert Bobsin e Marilene Tramontt Bobsin. Dois meses depois em 12 de dezembro de 1976 foi eleita por aclamação a primeira diretoria da Comunidade Evangélica de Osório que era assim composta: Presidente Enoir Bobsin – Vice-presidente Oli Becker, Secretária Elza Tietboehl Nascimento, Tesoureiro Arlindo Valter Trespach e como suplentes Adyles da Silva Otto, Nilo Schneider, Otto Becker e Arlindo José Kellermann. O templo, construído pelo pedreiro Anildo Ozio, foi inaugurado então em 19 de dezembro de 1976 em culto celebrado pelo Pastor Sydow de Porto Alegre.

Inaguração do templo

Depois de pronto o templo a comunidade recebeu em troca de uma parte do terreno lateral, onde a prefeitura da cidade abriu uma rua, o terreno dos fundos onde foi construído o salão da comunidade. O sonho do Pastor Otto, o primeiro pastor, de construir as torres laterais do templo para a colocação de dois sinos vindos da Alemanha jamais se concretizou.

Décadas de 1980 e 1990

A Comunidade cresceu muito na década de 1980 com a vinda de novas famílias entre elas os Morbach e Ristow. A partir de 1981 foi formada a Paróquia Litoral Nordeste da qual Osório passou a fazer parte. Durante a atuação do Pastor Armange realizaram-se vários encontros de casais, surgiu a OASE e foi formado o Coral da Comunidade. Também nessa época, e durante a década seguinte, surgiram o Coral e o Culto Infantil que realizava apresentações teatrais principalmente no Natal e chegou a reunir cerca de 20 crianças no inicio dos anos 90.

Até 1998 a comunidade era conhecida por Comunidade Evangélica de Osório, mas em 1998, durante a atuação do Pastor Jairo Cruz e por exigência da IECLB, foi realizada uma votação onde os membros escolheram a denominação atual: Comunidade Evangélica Martin Luther, em homenagem ao Reformador. Em 2006 após mudanças ocorridas na IECLB, e de um momento difícil, a Comunidade Martin Luther passou a pertencer a recém fundada Paróquia da Trindade que também é composta por Santo Antônio e Caraá.

A OASE A Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas da Comunidade (OASE) de Osório foi fundada oficialmente em reunião realizada em Tramandaí no dia 26 de março de 1982 por 11 senhoras. Eram elas Zaida Luiza Hoff (a 1.ª Presidente), Alice Marina B. Knach, Hilda Rost Bühler, Friedda Reinheimer, Joana Kolberg, Anita Galland, Beatriz Farias, Olma Becker Bobsin, Alzira Conceição de Oliveira Becker, Leila Beatriz Gamba Bühler e Eronita Bobsin Becker. A primeira reunião realizada no templo de Osório foi realizada no dia 1 de abril de 1982

. Grupo da OASE

Batismos, Confirmações e Casamentos

A primeira turma de Confirmação era composta por Joel Bobsin, Edelaine Bühler, Ederich Zimer e Gislaine Richter e foi realizada em 18 de dezembro de 1977. O primeiro batismo realizado no templo foi o de Rodrigo Trespach em 13 de agosto de 1978. O primeiro casamento foi o de Gilmar Trespach e Flávia Regina Ferreira, realizado em 6 de dezembro de 1980. E o primeiro óbito o foi o da Sr.ª Wilma Gaier Bühler em 26 de abril de 1979. Todas as 4 celebrações foram realizadas pelo Pastor Gustavo Eduardo Otto.

Primeira Confirmação

Fonte: Texto baseado no Livro de Atas n.º 1 da Comunidade Evangélica Martin Luther, depoimentos orais e no Comunidade Martin Luther, 1976-2006 – 30 anos de fundação da Comunidade e da construção do templo, trabalho elaborado e apresentado por Rodrigo Trespach em culto especial em 19.12.2006 publicado no Jornal Rio dos Sinos, do Sínodo Rio dos Sinos-IECLB em jan/2007 sob o título Comunidade do litoral comemora 30 anos com culto festivo e em TRESPACH, Rodrigo. Passageiros no Kranich – História e genealogia da família Dreßbach (Dresbach, Dressbach, Tresbach e Trespach). Porto Alegre: Alcance, 2007, p.233 a 235.